quinta-feira, 21 de março de 2013


Origem da familia real britanica
Casa de Windsor
                                                   

A Casa de Windsor ou Dinastia Windsor é uma família nobre e casa real da parte ocidental e setentrional da Europa, descendente da Casa de Saxe-Coburgo-Gota, sendo a dinastia atualmente no poder do Reino Unido e dos países da Comunidade das Nações, tais como Canadá, Bahamas, Nova Zelândia, Granada, Papua-Nova Guiné, Tuvalu, Austrália, Jamaica, Barbados, São Vicente e Granadinas, Belize, Santa Lúcia, Ilhas Salomão, São Cristóvão e Nevis e Antígua e Barbuda. Seu atual soberano é a rainha Isabel II. Passou a ter a denominação atual no ano de 1917, durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), ocasião em que um sentimento anti-germânico no povo britânico fez com que a família real britânica trocasse todos os seus títulos e sobrenomes alemães para versões inglesas.
O nome alemão veio com o casamento da rainha Vitória com o príncipe Alberto, filho do duque Ernesto I de Saxe-Coburgo-Gota, em fevereiro de 1840. Saxe-Coburgo-Gota, no entanto, não era o sobrenome pessoal do príncipe consorte, mas o nome dinástico da sua família - seu sobrenome era von Wettin. Sendo assim, o nome von Wettin foi transformado em Windsor, que se tornou também o nome da família real através de uma Ordem ao Conselho do rei Jorge V.
Todavia, a ordem ao conselho referia-se apenas aos descendentes da rainha Vitória, e não necessariamente às descendentes. Em abril de 1952, dois meses depois da sua subida ao trono, a rainha Elizabeth II pôs fim à confusão com o nome dinástico quando declarou ao seu conselho particular a sua "vontade e satisfação de que eu e meus filhos sejamos chamados e conhecidos como membros da Casa e Família de Windsor, e que meus descendentes que se casem e seus respectivos descendentes carreguem o nome Windsor."
Mais tarde, no dia 8 de fevereiro de 1960, a rainha emitiu outra Order-in-Council, confirmando que ela e seus quatro filhos seriam conhecidos como Dinastia, Casa e Família de Windsor e que ela e outros descendentes da linhagem masculina (exceto aqueles que possuíam o título de príncipe ou princesa e eram conhecidos como "Sua Alteza Real") seriam conhecidos pelo nome de Mountbatten-Windsor.
Qualquer futuro monarca do Reino Unido pode trocar o nome dinástico se assim quiser. Qualquer Order-in-Council pode revogar os promulgados por Jorge V e Elizabeth II. Se o príncipe de Gales, por exemplo, subir ao trono ele pode mudar a sua casa real para Mountbatten em homenagem ao seu pai, príncipe Filipe, duque de Edimburgo, e ao seu tio-avô, Louis Mountbatten, 1° conde de Mountbatten de Burma.


Nenhum comentário:

Postar um comentário